Guarapari entre as cidades mais violentas do ES

O município de Guarapari entrou para o ranking das cidades mais violentas do Espírito Santo, e o comando da Polícia Militar decidiu mudar as estratégias para combater o crime.

De acordo com dados do governo do Estado, a cidade saúde está entre os 10 municípios que concentraram 74% dos homicídios no Estado de 2015 a 2018.

O novo comandante do 10º Batalhão da PM, o tenente-coronel Cleverson Mancini Lyra, declarou que o trabalho será intensificado nos quatro bairros de Guarapari que estão entre os mais perigosos do Espírito Santo: Jabaraí, Adalberto Simão Nader, Kubitschek e Coroado.

“A violência no Brasil, hoje, é endêmica. Sabemos que a violência faz parte do convívio humano e nós não conseguiremos extingui-la. Mas nós podemos controlá-la e esse é o nosso objetivo: controle da violência para que ela seja uma exceção”, afirmou.

Segundo o comandante, com a mudança de estratégia, a polícia estará cada vez mais próxima da comunidade.

“Nossa perspectiva de trabalho é dar o máximo à comunidade. Aquilo que for possível a Polícia Militar fazer, nós faremos. A PM pode muito, mas não pode tudo. Não podemos ter um policial em cada esquina, talvez nem em cada bairro. Mas, dentro da nossa possibilidade de atendimento à comunidade, nós vamos fazer.”

O comandante-geral da Polícia Militar, o tenente-coronel Moacir Leonardo Vieira Barreto Mendonça, afirmou que os índices de violência já estão sendo reduzidos.

“Apesar da sensação de segurança não ser medida por dados estatísticos, o Espírito Santo é um dos poucos estados do Brasil que já tem reduzido índices de violência, como os de homicídio e feminicídio. Muitas vezes isso não é notado por causa da pauta nacional. Porque o Brasil é um país violento”.

O tenente-coronel falou ainda sobre a importância do Programa Estado Presente. “Esse é um programa sistêmico, transversal, que trabalha a proteção social junto com a proteção policial, unindo políticas públicas, desenvolvimento humano e segurança pública”.

Informações: Jornal A tribuna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *