Vídeo: PM atira em ‘irmão’ dentro de igreja após discussão sobre política

Vídeo: PM atira em ‘irmão’ dentro de igreja após discussão sobre política

Um policial militar que frequenta uma igreja da CCB (Congregação Cristã no Brasil) em Goiânia baleou um “irmão” durante o culto por causa de uma divergência política entre a vítima e um cooperador da igreja que defendia o presidente Jair Bolsonaro. A briga teria acontecido na quarta-feira (31) após a CCB ter passado uma circular sobre eleições. Segundo esse comunicado, os fiéis não deveriam “votar em candidatos ou partidos políticos cujo programa de governo seja contrário aos valores e princípios cristãos ou proponham a desconstrução das famílias no modelo instruído na palavra de Deus, isto é, casamento entre homem e mulher”. A carta é lida nos cultos.

O assessor empresarial Davi Augusto de Souza, 40 anos, que diverge do conteúdo da carta, foi baleado na perna e levado ao Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), submetido a uma cirurgia e passa bem. Mesmo com o assessor ensanguentado, o culto continuou. O irmão de Davi, Daniel Augusto de Souza, postou um vídeo nas redes sociais em que denuncia o que aconteceu. “Olha lá. Meu irmão foi baleado e eles continuaram com o culto, continuaram com as reuniões, ‘normalzinho’, como se nada tivesse acontecido. Tem ambulância, polícia aqui na porta, bombeiros chegando”, afirmou.

João Bispo é membro da igreja e presenciou toda a cena. Ele afirmou que um cooperador da CCB usou de sua influência, em pleno culto, para defender o presidente Jair Bolsonaro e criticar o partido adversário. David teria então se levantado e rebatido, dizendo que a igreja deveria falar de Jesus. “Daí chegou o PM e ele foi baleado na perna. O absurdo pior foi que toda a irmandade presente no culto ficou alheia ao ocorrido mesmo vendo a situação e o culto prosseguiu enquanto um de seus fiéis estava ensanguentado”, disse.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás informou que o PM estava “em horário de folga” e que, assim que a Polícia Militar tomou conhecimento do caso, foi determinado a instauração de um procedimento administrativo disciplinar para apurar as circunstâncias do fato. “Informamos ainda, que o policial militar apresentou de forma espontânea na delegacia de Polícia Civil para os procedimentos cabíveis”, diz a nota, assinada pelo tenente-coronel Dallbian Guimarães Rodrigues.

Ao jornal O Popular, o irmão da vítima disse que as discussões tiveram início um mês após ele e o irmão defenderem posicionamentos contrários à fala do líder da igreja, que segundo ele, passou a pedir membros para não votarem em partidos “vermelhos”, inclusive com uma circular. Segundo testemunhas, Davi contestou a leitura de uma circular com viés político na igreja Imagem: Reprodução/Redes Sociais Na compreensão dos irmãos Davi e Daniel, a circular vai contra o regimento da igreja, que diz: “A CCB não pode ter qualquer vínculo com partidos e ideologias políticas e seus membros, com ministérios ou sem, não podem valer-se do nome da igreja para expor sua opinião política”.