Muquiçaba é tricampeão da copa EDP

Muquiçaba é tricampeão da copa EDP

O grito de “Muquiçaba campeã” pôde ser entoado pelo terceiro ano seguido pela comunidade de Guarapari e no masculino, o time de São Pedro, da Capital, conquistou o título pela primeira vez.

A parceria entre A Gazeta e a EDP rendeu mais um campeonato emocionante – a E-Taça EDP das Comunidades. Em sua 4ª edição, o evento foi realizado de forma virtual, com uma megaestrutura de videogame. Os 110 jogos de todo o campeonato foram transmitidos no site. A equipe de Projetos e Eventos da Rede, juntamente com a Redação A Gazeta/CBN e a Rádio Litoral finalizaram o projeto nesse domingo (13).

O grito de “Muquiçaba campeã” pôde ser entoado pelo terceiro ano seguido pela comunidade de Guarapari. Por 5 a 2, a equipe venceu São Pedro na final feminina e garantiu o tricampeonato. Já no masculino, o time de São Pedro, da Capital, conquistou o título pela primeira vez, vencendo Novo Porto Canoa, da Serra, por 5 a 3. O time feminino de Muquiçaba recebendo a premiação. (Foto: Adessandro Reis). “A missão do campeonato é dar protagonismo a adolescentes e jovens em vulnerabilidade social. O saldo do evento neste ano é positivo porque mesmo em meio às dificuldades impostas pela Covid-19, conseguimos entregar um projeto completo, garantindo o sucesso das edições anteriores e respeitando as recomendações de combate à pandemia. O projeto de 2020 foi ainda mais inclusivo, proporcionando a participação de jovens que não se enquadram no estereótipo “corpo atlético”, inclusive, até uma grávida participou”, disse o diretor de Mercado Anunciante, Márcio Chagas. A grande final contou com comentários do editor e colunista de Esportes de A Gazeta, Filipe Souza, e narração do repórter José Carlos Schaeffer. A apresentação dos jogos decisivos foi feita pelo Bruninho Andrade, da Rádio Litoral, e a cobertura fotográfica ficou por conta do Adessandro Reis. Já a produção jornalística foi do repórter Alberto Borém. “A Taça EDP já é uma competição tradicional e muito importante porque consegue chegar nas comunidades e oferecer uma atividade esportiva e de lazer para esses adolescentes se engajarem. Acho que, neste ano, a Rede Gazeta acertou muito trazendo para as plataformas eletrônicas, mudando para E-Taça para manter a atividade. Teve prêmio para a torcida também, então consegue fazer um trabalho legal não apenas para quem participa, mas na comunidade em geral. Levar esporte, videogame e mais atividades para a adolescência é muito importante porque isso pode livrar que essas pessoas entrem na criminalidade”, afirmou Filipe. Os jogadores do São Pedro recebendo o título pela primeira vez (Foto: Adessandro Reis). As jogadoras da tricampeã Muquiçaba foram comandadas por Fagner Fernandes, estreante na competição. Ele ressalta que a E-Taça EDP de 2020, em novo formato, foi uma ótima oportunidade. “É diferente da realidade, uma coisa boa no crescimento delas e vou levar como uma boa experiência. Além disso, a igualdade na estrutura e na premiação entre o masculino e o feminino motiva, porque elas são reconhecidas”. Fagner se refere aos dez videogames distribuídos para as atletas campeãs. A premiação é igual a dos jogadores de São Pedro, responsáveis pela conquista no masculino. E por falar em São Pedro, durante todo o campeonato, a comunidade de Vitória teve um aproveitamento de 80% dos pontos. No entanto, para o técnico Rafael Neres, isso “não afetou tanto o jogo do título, que foi complicado, digno de uma final”. O técnico ainda comenta que o grito de campeão estava “engasgado”, já que em 2018 a comunidade havia perdido a justo final. “Toda a comunidade está muito feliz”, completou.

Es em Foco