Novo auxílio emergencial pode ser pago para 292 mil famílias no ES

Diante das crescentes pressões para renovação do auxílio emergencial, o governo federal prepara um novo formato do benefício para liberar mais uma rodada de pagamentos em 2021 durante três meses. No entanto, o programa alcançará um público menor de pessoas e o valor também deve ser inferior ao pago em 2020. A ideia até momento é pagar três parcelas de R$ 200.

A ajuda, que deve passar a ser chamada de Bônus de Inclusão Produtiva (BIP), terá foco nos trabalhadores informais não atendidos pelo Bolsa Família. O ministro da Economia, Paulo Guedes, já apontou que o modelo deve ficar restrito à metade dos 64 milhões de brasileiros que terminaram o ano passado recebendo o benefício. Ou seja, 32 milhões de pessoas no país teriam acesso ao benefício.

Da mesma forma, no Espírito Santo, cerca de 292 mil famílias devem integrar o grupo que receberá essa renda mínima, considerando que quase 585 mil famílias recebiam o auxílio emergencial no Estado em novembro de 2020, quando foi realizada a última pesquisa Pnad Covid, pelo IBGE.

Beneficiários do Bolsa Família devem ficar de fora, já que a ideia do governo não é criar um criar mecanismo de distribuição de renda para tirar pessoas da pobreza, e sim ser uma ajuda temporária para outras pessoas vulneráveis que deixaram de ser alcançadas por programas do governo com o fim do auxílio.

A ideia é estabelecer novas exigências para o recebimento do benefício temporário, mas essas normas ainda não foram definidas. Em entrevista à TV Bandeirantes nesta segunda-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro disse que está sendo estudada uma linha de corte, mas não deu mais detalhes.

A proposta em estudo é que os beneficiados pelo programa recebam três parcelas mensais de R$ 200 enquanto procuram um emprego e participam de um curso para qualificação profissional.