Guarapariense marca história no Bandes e consegue captação de R$ 30 milhões de dólares

Guarapariense marca história no Bandes e consegue captação de R$ 30 milhões de dólares

O Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) está expandindo os recursos de suas linhas de financiamento para capital de giro emergencial destinado a micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) capixabas. Nesta sexta-feira (29), o banco oficializou a captação de US$ 30 milhões junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), durante reunião híbrida com o governador Renato Casagrande, no Palácio Anchieta, em Vitória.

O diretor presidente do Bandes, Munir Abud Oliveira é filho de Guarapari e vem marcando seu nome na história do banco, além dele, o representante do BID no Brasil, Morgan Doyle, participou de forma virtual. Os demais membros da diretoria do Bandes e autoridades também acompanharam o evento de maneira remota.

“Para nós é sempre bom colocar o Bandes para ajudar a desenvolver o Estado do Espírito Santo. Estamos celebrando o primeiro contrato neste modelo. É um salto importante para que, no futuro, o banco possa operar com novas fontes de recursos para que a gente ajude a produzir emprego e renda aos capixabas. Incentivamos muito os negócios nas comunidades, ajudando-os a produzir e fazer com que a riqueza fique no Estado”, afirmou o governador.

Casagrande destacou ainda a parte voltada aos negócios que são comandados por mulheres. “Esse perfil de empoderamento das mulheres cumpre um papel fundamental em nossa política de segurança pública. Quanto mais a mulher é empoderada, menos dependência terá de seus companheiros, evitando muitos casos de violência que lamentavelmente a gente vê acontecendo”, pontuou.

A iniciativa faz parte das estratégias adotadas pelo Bandes como forma de reforçar a sua capacidade de dar suporte financeiro às empresas do Estado neste momento de retração econômica e para impulsionar os empresários capixabas na retomada econômica. Pelo convênio firmado entre as duas instituições, o Bandes deverá investir, no mínimo, 20% das operações de financiamentos para empresas lideradas por mulheres.

Desta forma, a captação tem também o objetivo de impulsionar a inclusão de gênero por meio da coleta e do monitoramento de dados desagregados por sexo dos líderes ou proprietários das MPMEs, segundo as melhores práticas. Com isso, espera-se aumentar a participação efetiva de créditos de capital de giro para MPMEs lideradas por mulheres na carteira do Bandes.

“Os números mostram que as mulheres foram as mais afetadas pelo aumento do desemprego durante a pandemia, e as MPMEs são um setor estratégico na criação de vagas e de capacidade produtiva. Por isso, esses dois elementos são centrais na nossa Visão 2025, a estratégia do BID para apoiar a recuperação econômica da América Latina e Caribe. Contar com a expertise e a capilaridade do Bandes para colocar isso em prática no Espírito Santo é muito relevante para o BID”, afirmou o representante do Grupo BID no Brasil, Morgan Doyle.

A nova linha deverá apoiar empresas com capital de giro, no valor de até US$ 1 milhão e prazo total de até 5 anos, incluindo carência de até um ano.

Es em Foco