Justiça manda prender vereador do ES por morte de ativista

Justiça manda prender vereador do ES por morte de ativista

A Justiça mandou prender novamente o vereador de Linhares, Waldeir de Freitas Lopes (PTB), suspeito de ser o mandante do assassinato do ativista político Jonas Soprani, ocorrido em junho de 2021.

O parlamentar já havia sido preso em julho do ano passado em um hotel em Minas Gerais, mas depois teve a liberdade concedida.

A decisão, proferida na última terça-feira (03), pela 1ª Vara Criminal de Linhares, voltou a determinar a prisão preventiva. 

A Polícia Civil informou que, até a tarde desta quinta-feira (05), não houve cumprimento do mandado de prisão. 

Já a Secretaria de Estado de Justiça (Sejus) confirmou que Freitas não deu entrada em nenhuma unidade prisional no Espírito Santo. 

Relembre o caso

O ativista político Jonas da Silva Soprani foi assassinado a tiros na noite de 23 de junho de 2021. Ele foi atingido por vários disparos feitos por dois homens encapuzados, quando estava em um bar, no Bairro Novo Horizonte (BNH). 

Ele era ativista político e atuava fiscalizando políticos da cidade, o que causava incômodos, inclusive ao vereador, como aponta o Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

No dia 20 de julho, a Polícia Civil chegou até os suspeitos da execução: os irmãos gêmeos Cosme Damasceno e Damião Damasceno. 

De acordo com o MPES, que ofereceu denúncia à Justiça, as investigações apontaram que Waldeir de Freitas foi o autor intelectual e mandante do crime. 

Foi apurado que ele auxiliou em parte da execução, no dia do homicídio, indicando exatamente o local onde a vítima estaria. O crime foi cometido com a participação de dois intermediários, além dos dois executores. Todos foram denunciados pelo MPES.

Ainda segundo o Ministério Público, durante a apuração do caso, ficaram comprovadas as relações entre o primeiro intermediário, Cosme Damasceno, e o vereador.