Venezuelano é preso no ES suspeito de violentar a neta de 4 anos; mãe da criança imobilizou o homem

Venezuelano é preso no ES suspeito de violentar a neta de 4 anos; mãe da criança imobilizou o homem

Filha do idoso flagrou a cena ao chegar do trabalho e o imobilizou até a chegada da polícia

Um venezuelano de 66 anos foi preso suspeito de violentar a neta de 4 anos. O crime ocorreu na casa da família, em Vitória. A menina estava sob os cuidados do avô materno enquanto a mãe trabalhava. A criança acabou sendo violentada.

A mãe da menina, e filha do idoso, estava no trabalho o dia todo e quando chegou em casa flagrou a cena e o imobilizou até a chegada da polícia. A mulher encontrou a menina no banheiro com o homem. 

De acordo com informações do boletim de ocorrência, o idoso passava a mão na própria boca e depois acariciava as partes íntimas da neta. Desesperada, a mulher partiu para cima dele. Usando técnicas de imobilização, ela conseguiu colocar o pai para fora de casa e impedir que ele fugisse até a chegada da Polícia Militar.

Os três foram conduzidos para o Plantão Especializado da Mulher em Vitória. Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, a menina contou em detalhes para a mãe o que havia ocorrido. Ela passou por exame de corpo de delito.

Segundo fontes da Polícia Civil, em depoimento, o idoso confessou o crime e foi autuado em flagrante por estupro de vulnerável. Nesta sexta-feira (23), ele foi encaminhado ao presídio. Para a imprensa, ele disse que vai pagar pelo erro.

O homem disse ainda que se mudou para Vitória faz uma semana e que o resto da família já vive aqui há dois anos. A filha e a neta também são venezuelanas. 

A mulher afirmou que os abusos teriam começado antes. Em depoimento, ela disse que o pai teria passado a violentar a filha dela desde que começou a trabalhar fora, duas semanas atrás, e que dessa vez conseguiu imobilizá-lo porque já atuou como policial civil no País de origem.

Por nota, a Polícia Civil informou que ele foi autuado em flagrante pelo crime de estupro de vulnerável e encaminhado ao Centro de Triagem de Viana (CTV).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *