Mulher da entrada em hospital para retirada de útero e volta para casa sem seus dois rins

Mulher da entrada em hospital para retirada de útero e volta para casa sem seus dois rins

Já imaginou ir a um hospital fazer cirurgia de retirada de útero e depois ficar sabendo que os rins foram roubados? Foi isso que aconteceu com Sunita Devi, 38 anos. O fato aconteceu em Muzaffarpur, na Índia, mas serve de alerta para brasileiros, pois até pessoas estão sendo declaradas mortas mesmo vivas.

Sunita deu entrada em um hospital para retirar o útero e um médico que não teve o nome divulgado foi acusado de remover cirurgicamente, sem nenhuma autorização, os seus rins. Agora a vítima quer os rins do médico como punição. Em virtude da retirada de seus rins, ela precisa fazer hemodiálise regularmente.

Depois de fazer a cirurgia de retirada de útero ela não se recuperou após a cirurgia e seu estado de saúde chegou a ser classificado como crítico. Ao procurar outro hospital, Sunita descobriu, para horror dela e da equipe médica, que não mais tinha rins. A vítima ficou desesperada e levou o caso à polícia.

Foi apurado após investigação policial, que o médico responsável pela cirurgia criminosa e o dono da instituição médica onde o procedimento foi realizado estão foragidos desde que a história veio a público. Apurou-se, ainda, que a clínica não tem autorização para funcionar e as credenciais do médico podem ser falsas.

Mãe de três filhos, Sunita está exigindo que os rins do médico sejam retirados e doados a ela como punição para o crime e para ajudá-la a sobreviver. Iti Devi, mãe da vítima, disse não ter muitas esperanças de que o caso tenha uma solução minimamente justa. “Somos pobres e o governo nada fará”, disse ela.

“Com certeza nossas exigências não serão ouvidas pelo governo, pois este é um país das desigualdades e onde a injustiça campeia. Minha filha agora precisa de hemodiálise para sobreviver. Queremos a prisão desse médico e que os rins dele sejam doados a minha filha”, disse a mãe. O caso segue sendo investigado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *