Capixaba é investigado por fabricar 3 milhões de cédulas falsas e vender pelo zap

Um capixaba foi preso pela Polícia Federal em Vitória na manhã desta segunda-feira (2) por suspeita de fabricar e comercializar cerca de três milhões de notas de Real falsificadas durante um período de um ano. As cédulas eram vendidas pelo WhatsApp no Espírito Santo e em outros 10 estados brasileiros.

Durante coletiva de imprensa realizada na manhã desta segunda-feira, o chefe da Delegacia de Combate a Crimes Fazendários (Delefaz), delegado Leonardo Rabello Feyo, explicou que as investigações foram iniciadas em abril deste ano.

A operação Marduque foi conduzida pela Delefaz e contou com a participação de 17 policiais federais. Foram cumpridos três mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva nas residências do investigado em Vitória e Viana.

Em Vitória, os policiais apreenderam R$ 190 mil em cédulas falsas. Além disso, também foram encontrados equipamentos utilizados para contrafação (falsificação) e equipamentos de mídia em geral. Segundo a PF, as cédulas falsificadas custavam entre 10% a 20% do valor original. Uma nota de R$100 era vendida por R$ 10 a R$ 20.

A investigação foi iniciada após os Correios apresentarem uma notícia-crime indicando que objetos postados em Vitória continham cédulas falsas. O produto também era enviado por transportadoras. A encomendas eram enviadas pelo mesmo remetente, que usava nome falso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.