Casagrande limita entrada em supermercados

Em novo pronunciamento no início da noite desta quinta-feira (16), o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande,  anunciou novas medidas de combate ao novo coronavírus. O novo decreto,  que deve ser publicado nesta sexta-feira (17),  regulamenta o funcionamento de estabelecimentos nos municípios capixabas. 

De acordo com Casagrande, a partir da próxima segunda-feira (20), hipermercados, supermercados, minimercados, atacarejos, hortifrútis, padarias e lojas de conveniência, terão que limitar a entrada de clientes para evitar a aglomeração de pessoas. 

Veja lista de determinações do novo Decreto:

– Limitar a entrada de clientes no estabelecimento para que não haja aglomerações e para que seja possível manter a distância de segurança, perfazendo o total de um cliente por cada 10m² de área de venda; quando houver fila, utilizar faixas ou marcações para limitar a distância mínima de 1,5m entre clientes; e executar a desinfecção dos carrinhos e cestas imediatamente antes e depois do contato com o cliente e de forma frequente quando não estiverem em uso;

– Disponibilização de sistema de venda on-line, via telefone ou whatsapp, com opção de entrega domiciliar de compras ou retirada no local; e de itens necessários para higienização das mãos de colaboradores e clientes, como lavatório com água potável corrente, sabonete líquido, toalhas de papel e lixeira para descarte, além de dispensers com álcool gel 70% em pontos estratégicos;

– Fornecimento de máscara facial a todos os colaboradores, para utilização em tempo integral, e quando o atendimento for realizado em distância inferior a 1,5 metros, sem a existência de barreira de proteção acrílica, além da máscara, deverá ser fornecido protetor Face Shield;

– Estão proibidos o uso de secadores eletrônicos e o oferecimento de produtos e alimentos para degustação. Ficam autorizadas as vendas de kits ou combos de produtos em geral, mediante entrega em domicílio e venda presencial, como medida de estímulo à agilidade nas compras e redução de possível aglomeração de pessoas no interior dos estabelecimentos.

As medidas serão válidas enquanto durar o período de calamidade e o descumprimento das mesmas poderá configurar a prática de infração administrativa, prevista no artigo 10, inciso VII da Lei Federal nº 6.437, de 20 de agosto de 1977, bem como crime previsto no artigo 268 do Código Penal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *