Grupo LGBTQIA+ entra na Justiça contra CBF e pede explicações para a falta da camisa 24 na Seleção

A “ação de justificação com pedido de explicações” foi distribuída na noite deste domingo, na 10ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. A Seleção Brasileira tem numeração entre 1 e 23, e pula para o 25.

– Sendo assim, o fato da numeração da seleção brasileira pular o número 24, considerando a conotação histórico cultural que envolta esse número de associação aos gays, deve ser entendido como uma clara ofensa a comunidade LGBTI+ e como uma atitude homofóbica – diz trecho da solicitação do grupo.

Ainda segundo o ‘ge’, o grupo Arco-íris pede respostas em 48 horas e fez os seguintes questionamentos à CBF na Justiça.

A não inclusão do número 24 no uniforme oficial nas competições constitui uma política deliberada da interpelada?;

Em caso negativo, qual o motivo da não inclusão do número 24 no uniforme oficial da interpelada?;

Qual o departamento dentro da interpelada, que é responsável pela deliberação dos números no uniforme oficial da seleção?;

Quais as pessoas e funcionários da interpelada, que integram este departamento que delibera sobre a definição de números no uniforme oficial?;

Existe alguma orientação da Fifa ou da Conmebol sobre o registro de jogadores com o número 24 na camisa?

Enquanto a CBF não se manifesta judicialmente, a entidade postou um texto nas redes sociais sobre o Dia do Orgulho LGBTQIA+.

– O futebol brasileiro não tem espaço para preconceito! A CBF apoia a luta contra a homofobia e a transfobia. Somos Todos Iguais! – postou o perfil da CBF.