Jovem que teve barriga aberta em Guarapari se pronuncia e defende namorada

O jovem que teve a barriga aberta em Guarapari se pronunciou, neste domingo (01), sobre os desdobramentos do caso. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, Gabriel Muniz, de 20 anos, defendeu a namorada e afirmou que ela também foi uma vítima.

A estudante Lívia Lima Simões Paiva Pedra, de 20 anos, foi indiciada pela Polícia Civil após a conclusão do inquérito que investigava o caso. 

De acordo com o titular da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoa de Guarapari, delegado Franco Malini, o fato das investigações apontarem que apenas os dois estavam no local e as lesões encontradas na mão da estudante levaram os investigadores a essa conclusão. 

“Essa investigação não poderiam se basear em provas testemunhais, porque apenas os dois estavam no local. A conclusão de que foi ela a responsável se deu quando foi confirmado que só estavam os dois. O segundo ponto, são as lesões que ela apresentava, típicas de ataque. Isso leva a crer que ela lesionou o rapaz, possivelmente deu socos no rosto dele e também fez o corte na barriga”, explicou o delegado.

Jovem que teve a barriga aberta questiona conclusão da polícia

No vídeo, Gabriel Muniz questiona os argumentos apresentados pela polícia. O rapaz defende a ideia de que haveria uma terceira pessoa no local do crime, que ocorreu em 16 de janeiro, na Praia do Ermitão, em Guarapari

É obvio que minha namorada não tem nada a ver com isso. Assim como eu, ela é uma vitima desse acontecimento. Fica claro que tinha uma terceira pessoa que fez isso com nós dois. (…) Primeiro de tudo, nós fomos roubados, mas parece que isso não foi levado em conta“, explanou.

Além disso, Gabriel argumenta que há outras formas de acessar a Praia do Ermitão, além da portaria principal. Na portaria há câmeras de segurança que registraram o momento que os dois jovens chegaram ao local e quando foram socorridos.

Ao comentar sobre os ferimentos da namorada, o jovem cita a análise realizada por médicos que teriam explicado que o ferimento na cabeça de Lívia causa desmaio. Ele ainda cita que os ferimentos nas mãos dela seria de defesa.