Menino morre após ser baleado em casa e família aponta irmão como autor de tiro acidental

Um menino de 12 anos, identificado como Rafael Silva Marques, morreu, na madrugada desta segunda-feira (2), após ser baleado dentro de casa, em Aracruz, no Norte do Espírito Santo. A família aponta o irmão da criança, de 32 anos, como autor de um disparo acidental.

O caso aconteceu no dia 24 de abril, na região de Santa Rosa, interior de Aracruz. No entanto, Rafael morreu uma semana depois no Hospital Infantil de Vitória, para onde havia sido transferido. Rafael, que tinha 11 anos quando foi baleado, completou 12 anos no hospital.

Segundo o Conselho Tutelar de Aracruz, parentes disseram que o irmão de Rafael estava com uma arma, disparou acidentalmente e atingiu o garoto.

O disparo atingiu o tórax e o abdômen de Rafael. O boletim da Polícia Militar informa que o menino teve lesões no estômago e no pulmão. Durante a internação, ele teve complicações no quadro clínico e foi constatada a sua morte cerebral.

O Conselho Tutelar e a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) foram acionados pela assistência social do hospital.

Polícia Civil investiga

A PM informou que o menino deu entrada no hospital às 19h do dia 24 de abril, transferido do Hospital de Aracruz, onde havia dado entrada por volta das 9h, vítima de disparo de arma de fogo.

“Segundo o assistente social, a mãe adotiva do menino teria acompanhado o filho no momento em que deu entrada no hospital. Ela teria relatado ao funcionário que o disparo aconteceu de forma acidental e que o autor seria seu outro filho. Nenhum familiar ou responsável se encontrava no local para dar explicações”, informou a nota da PM.

A Polícia Civil informou que o caso é investigado pela Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) de Aracruz, que está realizando diligências para apurar o fato.

“As investigações iniciais são de que o fato se tratou de um disparo acidental. Outros detalhes da investigação não serão divulgados, no momento”, diz parte da nota da Polícia Civil.

O delegado André Jaretta disse que o atirador seria morador de Vila Velha e estava passando o feriado do dia de Nossa Senhora da Penha na casa dos familiares quando tudo aconteceu.

Ainda de acordo com o delegado, a informação inicial é que ele teria limpado a arma e colocado em cima da mesa. A arma disparou enquanto o menino estava passando.

O homem estaria muito abalado com a morte da criança.