Morte de criança: pai diz à polícia que fez ritual para curar problema respiratório

Morte de criança: pai diz à polícia que fez ritual para curar problema respiratório

A morte de uma criança de 2 anos e oito meses é investigada pela polícia. O menino foi internado em um hospital de Vila Velha na noite da última segunda-feira (04) e morreu durante a madrugada desta terça-feira (05).

Segundo a polícia, no corpo do menino foram identificados sinais de possível abuso sexual e tortura. Os pais da criança foram presos em flagrante. 

Os policiais estiveram na casa onde a família vivia. No local, foram encontrados objetos que teriam sido usados em um ritual. Em um dos objetos, segundo a polícia, o nome do menino estava escrito em um pedaço de papel.

Questionado pelos investigadores, o pai alegou que o ritual foi realizado para cura o menino de um problema respiratório.

Ainda segundo a polícia, durante o depoimento, os pais da criança não conseguiram explicar o motivo de não terem percebido os ferimentos. O fato chamou a atenção já que, de acordo com a equipe do hospital onde ele foi atendido, o menino chegou com a fralda seca, indicando que havia sido trocada recentemente.

Um outro filho do casal, um bebê de 8 meses, está internado em um hospital por sintomas respiratórios. 

Criança teria sido vítima de estupro e tortura

O menino foi internado na segunda-feira (04) no Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves (Himaba), em Vila Velha, e teria tido uma morte súbita. 

A princípio, segundo a polícia, a informação era de que a criança tinha morrido em decorrência de uma suposta pneumonia. Contudo, foram identificados sinais de possível abuso sexual. Por conta da suspeita, o corpo foi encaminhado para o Departamento Médico Legal para passar por exames.

De acordo com a polícia, os pais do menino não concordaram com a realização do procedimento. Ao final do exame, eles foram conduzidos para a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa do município.

Menino teve lesões no ânus e intestino perfurado, diz polícia

Durante a autópsia, o médico legista identificou que a vítima foi violentada sexualmente. A criança teria tido uma perfuração no reto e no ânus devido a um trauma. A polícia suspeita que um objeto contundente foi inserido no ânus do menino e provocou lesões que romperam o intestino.

Segundo o médico legista, além das lesões encontradas no ânus e no reto, o menino também teve lesões no rosto, no dorso, no braço esquerdo e na perna. A suspeita é que alguns ferimentos tenham sido provocados por queimaduras de cigarro.