População sanguinária e assassina mata por linchamento inocente acusado de estupro

Wellington Leal Carneiro é o nome de um homem que foi morto por linchamento na sexta-feira, 29, acusado de ter estuprado a enteada adolescente. Contudo, segundo investigações da polícia, ele não foi o autor do estupro e foi vítima da população sanguinária, que insiste em fazer justiça com as próprias mãos.

O crime aconteceu em Ilhéus, no Sul da Bahia e segundo ocorrência policial, o estupro foi praticado por um adolescente com quem a garota estava se relacionando. O padrasto e a mãe da adolescente a agrediram ao tomarem conhecimento de que ela se relacionava com alguém sem consentimento deles.

A população, que ouviu o galo cantar e não sabe onde, se sentiu revoltada e sem procurar apurar os fatos, lincharam até a morte a vítima, cujo corpo foi encontrado na Rua Cantinho do Céu, depois da ponte sobre o rio do Distrito de Banco do Pedro, com as nádegas expostas e hematomas nessa região do corpo.

Seu corpo foi encaminhado ao Departamento de Polícia Técnica para realização de necropsia e depois encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal), onde depois de periciado, foi liberado para sepultamento. Segundo levantamento policial, a relação sexual ocorrida entre os adolescentes foi consensual e não estupro.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Polícia da cidade, mas até o momento da postagem desta notícia ninguém ainda tinha sido preso. Segundo o delegado responsável pelo caso é inaceitável que a população continue agindo com violência e que agirá com rigor quando identificar os assassinos da vítima.