Após quebra de recorde de mortes por covid, Bolsonaro defende volta à normalidade

Após quebra de recorde de mortes por covid, Bolsonaro defende volta à normalidade

Depois de o Brasil registrar recorde no número de mortes pela covid-19 em um dia, o presidente da República, Jair Bolsonaro voltou a defender nesta sexta-feira, 26, o retorno à normalidade no País. O chefe do Executivo afirmou que medidas de restrição “estão na contramão daquilo que o povo quer”.

“Aos políticos que me criticam, sugiro que façam o que eu faço. Tenho um prazer muito grande de estar no meio de vocês. Dizer a esses políticos do Executivo, o que eu mais ouvi por aqui é: ‘presidente, eu quero trabalhar’. O povo não consegue ficar mais dentro de casa”, disse Bolsonaro, em evento do governo sobre obras rodoviárias realizado em Tianguá, no Ceará.

E declarou: “O povo quer trabalhar. Esses que fecham tudo e destroem empregos estão na contramão daquilo que seu povo quer. Não me critiquem, vá para o meio do povo mesmo depois das eleições.”

No Ceará vigora até domingo, 28, decreto de toque de recolher de 22 horas até às 5 horas como parte de um conjunto de medidas para combater a disseminação do vírus. “Tenho certeza que quando deixar meu governo entregarei um Brasil, apesar da pandemia, muito, mas muito melhor, do que aquele que recebi em janeiro de 2019”, acrescentou o presidente.

Em seu discurso, Bolsonaro também reforçou que Executivo e Legislativo “trabalham juntos”, além de elogiar a atuação de sua equipe de ministros. “Com uma equipe competente e com ajuda do parlamento brasileiro nós vamos vencer desafios e cada vez mais proporcionar a todos dias melhores”, disse.